Fisioterapia Veterinária – Avanços da Veterinária no Brasil

Fisioterapia Veterinária – Avanços da Veterinária no Brasil

Fisioterapia veterinária: veja os avanços das técnicas de tratamento ao longo dos anos. Saiba como a fisioterapia veterinária pode ajudar seu pet em diversas patologias

A fisioterapia veterinária ganhou força, inicialmente, como uma adaptação das técnicas já utilizadas na própria fisioterapia humana em equinos. Os resultados foram extremamente expressivos, promovendo novas aplicações em animais menores e fazendo com que casos que antes eram destinados ao sacrifício, pudessem ter um meio de reabilitação e recuperação da qualidade de vida.

Até pouco tempo, a fisioterapia veterinária ainda era um meio desconhecido de tratamento até mesmo na medicina veterinária. Com a evolução das técnicas e os bons resultados no combate a diversas patologias, ela se tornou uma especialidade essencial na vida dos pets, reeducando o corpo do animal sem que nenhum sintoma atrapalhe sua qualidade de vida e independência.

Fisioterapia Veterinária: atuação no combate a variadas patologias!

A fisioterapia animal atua de forma preventiva, evitando o avanço ou surgimento de patologias e em ações pré-operatórias.

Listamos abaixo alguns casos em que a fisioterapia veterinária pode atuar diretamente:

Patologias ortopédicas:

  • displasia coxofemoral e cotovelo;
  • tendinites;
  • artroses e artrites;
  • miosites;
  • osteocondrite dissecante;
  • luxação de patela;
  • ruptura de ligamento cruzado;
  • pós-operatório de fraturas;
  • pós-operatório de cirurgias articulares.

Patologias neurológicas:

  • embolismo fibrocartilaginoso;
  • pós-operatório de coluna;
  • tetraparalisias e tetraparesias;
  • hérnia de disco
  • paralisias e paresias;
  • mielopatias degenerativas;
  • síndrome de Wobbler,
  • injúrias de nervo periférico;
  • doenças do sistema nervoso central e sequelas como isquemias;
  • cinomose, vestibulopatias, degenerativas, vasculares e inflamatórias.

Pós-operatório de cirurgia:

  • tendões;
  • ligamentos;
  • joelho;
  • coxofemoral;
  • cotovelo;
  • artrodese e outros;
  • fraturas;
  • amputações;
  • serve como tratamento em casos de dificuldade na consolidação após fratura óssea.

Outros casos:

  • auxilia no tratamento de má formação congênita ou adquirida;
  • contraturas;
  • distensões e outras lesões musculares;
  • injúrias atléticas; pan-osteíte;
  • fraqueza e atrofias musculares secundárias.

PETDRIVER_72301379-vétérinaire-examiner-vétérinaire-chien-table-vétérinaire-clinique_blog

Animais hiperativos, inquietos e ansiosos também podem se beneficiar das técnicas de fisioterapia veterinária liberando sua energia canalizada, evitando o sofrimento posterior representado pela carência, apatia, agressividade e latidos em excesso, além do surgimento de doenças decorrentes da baixa imunidade, lesões traumáticas ou feridas provocadas por eles mesmos pelo excesso de lambedura em alguma região do corpo.

A obesidade canina também está inserida em uma das complicações combatidas através da fisioterapia veterinária. Os programas nutricionais somados à pesquisa de patologias associadas e a fisioterapia veterinária trazem as informações vitais para estruturar um programa de emagrecimento qualificado para os pets, melhorando sua qualidade de vida.

Animais idosos também são beneficiados pelos métodos de tratamento da fisioterapia animal, aliviando dores nas articulações, readquirindo força muscular e amplitude de movimentos, melhorando a micção e defecação, facilitando a sua rotina e saúde.

As técnicas que evoluíram a aplicação da fisioterapia veterinária na vida dos pets!

Conheça algumas técnicas que evoluíram e tornaram a fisioterapia veterinária tão ampla no tratamento de diferentes patologias:

  1. Eletroterapia: utiliza correntes elétricas para aliviar a dor ou promover fortalecimento muscular. As técnicas de TENS (Estimulação Elétrica Nervosa Transcutânea) e Corrente Interferencial são utilizadas no alívio de dores, e a FES/NMES (Estimulação Elétrica Funcional e Neuro Muscular Estimulação Elétrica) e, auxiliando o fortalecimento muscular em cães com problemas ortopédicos como cirurgias, ou neurológicos como paralisias.
  2. Laserterapia: o LASER (Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation) é utilizado para o alívio de dores em afecções agudas ou crônicas. É comumente utilizado para efeitos terapêuticos o infravermelho de arseneto de gálio (Ga-As 904nm) ou gálio-alumínio-arsênio (Ga-Al-As 830nm). O laser tem efeito anti-inflamatório e analgésico, promovendo o aumento do metabolismo celular, ajudando na cicatrização de feridas, ajudando na reparação tecidual. Os pós-operatórios ortopédicos e neurológicos são muito beneficiados pela Laserterapia.
  3. Cinesioterapia: essenciais no processo de reabilitação animal, as técnicas passam desde alongamentos até exercícios terapêuticos. Podem ser feitos através de exercícios ativos, quando o animal executa o movimento, ativos assistidos ou até mesmo passivos, quando o fisioterapeuta faz o movimento. São amplamente utilizados em animais com problemas ortopédicos e neurológicos, podendo utilizar acessórios como pranchas, bolas, pistas, cones e outros.
  4. Acupuntura: visa à restauração e manutenção da saúde dos pets através do equilíbrio da energia vital. O método consiste no estímulo de determinados pontos do corpo dos animais (eventualmente faz-se utilização da inserção de agulhas), massagens, técnicas de manipulação, eletroestimulação, aplicação de calor, ultrassom, injeção de substâncias e uso de raio laser.
  5. Magnetoterapia: possuem efeitos de relaxamento geral e liberação de endorfinas através de campos magnéticos pulsáteis, conferindo sedação e bem estar a animais com dores agudas e crônicas, artroses e problemas de coluna.
  6. Massoterapia: a aplicação de massagens também tem grande utilidade na fisioterapia animal. Essa técnica diminui a tensão muscular e consequente dor, quebrando o ciclo de dor-tensão-dor. Além disso, a massagem aumenta o fluxo sanguíneo local, proporcionando melhor oxigenação e retirada de resíduos metabólicos, aumentando a drenagem venosa e linfática, o que auxilia o retorno da função muscular, causando grande alívio. Muitos casos de problemas musculares estão associados às adesões e contraturas musculares (nódulos) que podem ser mobilizados e desfeitos através de sessões qualificadas de fisioterapia animal com massagem.
  7. Hidroterapia: consiste na utilização da água como forma de tratamento/terapia, principalmente com o uso de esteiras aquáticas. Essa técnica promove diversos efeitos benéficos aos animais, desde fisiológicos até psicológicos. A redução do peso do animal e o impacto de cada exercício promove o aumento da circulação, diminuindo dores, aumentando flexibilidade e mobilidade, coordenação e manutenção de postura sem sofrer com os reflexos dos exercícios ao ar livre. Um animal com paralisia nos membros posteriores, por exemplo, na esteira aquática ganha mobilidade e aumenta a possibilidade de realizar diversos exercícios que em solo seriam impossíveis ou de alto grau de dificuldade por sua situação. A água aquecida promove o relaxamento muscular e aumento da circulação, ajudando também em contraturas, alívio de dor e relaxamento geral do animal. Os efeitos psicológicos também não podem ser descartados. O primeiro, alívio da dor, já promove o bem estar e melhoria da qualidade de vida. Além disso, a maior mobilidade faz com que o animal adquira mais confiança e independência, essenciais para que ele volte a andar. A hidroterapia também pode ser utilizada como um artifício na promoção de emagrecimento e fitness dos pets. A perda de calorias é considerável, fazendo com que um programa de emagrecimento que utilize a hidroterapia tenha grandes resultados.
  8. Crioterapia: é o uso do gelo, ou resfriamento controlado, como agente auxiliar no controle de inflamações, dores e outros. É mais recomendado no tratamento de lesões musculoesqueléticas agudas. O objetivo é a minimização de sequelas relacionadas à lesão como dor, edema, hemorragia, espasmos musculares e redução de injúrias secundárias.

Independente do problema que seu Pet possa ter, recomendamos SEMPRE que consulte um Fisiatra Veterinário.

Fonte: Fisio Care Pet – Centros de Reabilitação Animal

Add Your Comment